centro-paulista-telefone 14 3372.8003
menu


Inteligência artificial do Google aprendeu a usar a imaginação

Além de dormir, a inteligência artificial do Google também vai aprender a imaginar. É isso o que cientistas responsáveis pela DeepMind estão fazendo, e eles descreveram recentes avanços na área em dois artigos científicos diferentes.

A intenção dos pesquisadores que participam do desenvolvimento da inteligência artificial é que ela seja capaz de "construir um plano" e lembrar informações importantes para usar no futuro. Assim, ela consegue imaginar diferentes cenários aos quais pode ser exposta e, com isso, elaborar uma série de ações a serem tomadas quando encarar essas situações.

"Abordagens baseadas em imaginação são particularmente úteis em situações em que o agente está em uma situação nova e tem pouca experiência direta para se apoiar, ou quando suas ações têm consequências irreversíveis e pensar cuidadosamente é desejável em relação à ação espontânea", explicam os cientistas da empresa à Wired.

Por Olhar Digital